A “corrente” quebrada por Luiz Carlos Trabuco Cappi quando assumiu a presidência do Banco Bradesco

Havia uma espécie de “tabu” no Banco Bradesco antes de Luiz Carlos Trabuco Cappi assumir a presidência da instituição Bancária. Era a seguinte – no Banco, os nomes que saiam como os mais bem cotados para assumir, como sucessor, o cargo de presidência, coincidentemente, não eram os eleitos na decisão final.

Dos três presidentes que o Banco havia tido até a eleição de Luiz Carlos Trabuco Cappi, essa “tradição” tinha acontecido por duas vezes. O primeiro presidente foi o próprio fundador, Amador Aguiar, mas Lázaro Brandão, o seu sucessor, no ano de 1981, era considerado um “azarão”. Da mesma forma, aconteceu com Márcio Cypriano – este, sucessor de Brandão – pouco se falava no nome dele quando se discutia a respeito de de quem seria o substituto para a função, em 1999.

Luiz Carlos Trabuco Cappi era mesmo o nome mais bem cotado para assumir o cargo de presidente da instituição bancária em 2009. Na ocasião, o executivo ocupava a posição de vice-presidente na empresa, cargo conquistado em 1999. Desde 2003, ele também acumulava a presidência da seguradora do grupo – e em todas as conversas com executivos do mercado financeiro sobre a sucessão de Márcio Cypriano, era o nome de Trabuco um dos mais citados.

No quesito experiência de casa, o executivo também estava bem – ele entrou na instituição em 1969, com apenas 18 anos de idade, e já estava na casa há 40 anos. Luiz Carlos Trabuco Cappi começou na empresa bancária como escriturário e fazia jus ao conceito valorizado pelo Bradesco de um perfil de “continuidade e renovação”. Ele até já havia sido cotado para o cargo de presidência quando Cypriano assumiu, mas, por ter apenas 47 anos de idade na época e ser considerado muito jovem para os padrões da instituição, acabou saindo da disputa.

Voltando a 2009, os concorrentes de Trabuco, por sua vez, também não eram fracos.  José Luiz Acar Pedro, que chegou ao grupo depois da compra do Banco de Crédito Nacional (BCN), em 1997, era um deles. E Roger Agnelli (3 de maio de 1959 – 19 de março de 2016), na época presidente da Vale, era outro – contudo, da mesma forma que aconteceu com Trabuco, é possível que este também tenha sido considerado muito jovem para o cargo, já que tinha apenas 49 anos de idade.

O fato é que na hora da decisão final, o tal “tabu” foi quebrado, visto que, as expectativas se confirmaram – o conselho de administração do Bradesco indicou mesmo Luiz Carlos Trabuco Cappi, aos seus 57 anos de idade, para liderar a companhia a partir de março de 2009.

O quarto presidente ainda assumiu o cargo em um momento um tanto conturbado – quando o banco havia acabado de perder a liderança no mercado. Em 2015, porém, Trabuco fez um dos lances mais ousados à frente do Bradesco – comprou a filial brasileira do HSBC por US$ 5,2 bilh

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *