Informalidade faz crescer o número de ocupações no país, aponta PNAD-C

No fechamento do terceiro trimestre de 2017, pode ser observado um aumento de 2,9% referente ao número de empregados domésticos, com 177 mil novas vagas de emprego a mais, em comparação com o segundo trimestre deste ano. Sendo essa uma das principais influências que levaram a uma redução no número de desocupação, caindo de 12,8% para 12,2% no terceiro trimestre deste ano, assim aponta os dados da PNAD-C – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, divulgada pelo IBGE – Institutuo Brasileiro de Geografia e Estatística – no dia 30 de novembro deste ano.

Segundo o responsável pela pesquisa, o coordenador e gerente da PNAD-C, Cimar Azeredo, o trabalho informal teve muito peso para a geração destes novos postos de trabalho gerados em todo o país. Foram 869 mil ocupações a mais ocorridas no terceiro trimestre deste ano em comparação com o segundo trimestre, sendo que 326 mil trabalhadores seguem trabalhando por conta própria, 254 mil fazem parte do setor privado, porém sem registro em carteira, e 177 mil prestam serviços domésticos.

“Quando o trabalho doméstico sobe pela formalização é positivo. No entanto, na conjuntura atual, as pessoas estão buscando trabalho doméstico, na maioria das vezes sem carteira, por falta de espaço na economia formal”, afirmou Azeredo.

Os grupos de atividades de informação, comunicação, atividades imobiliárias, atividades financeiras, profissionais e de ordem administrativas, representaram uma alta significativa de 3,2%, equivalente a 311 mil novas vagas geradas. Comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas, cresceram 1,2%, gerando 208 mil novas vagas, seguidos pela construção, que possibilitou o surgimento de 169 mil novas vagas um crescimento de 2,5%.

Quando é comparado com o mesmo trimestre de 2016, o terceiro trimestre deste ano teve um bom retrospecto principalmente com o setores de alojamento e alimentação, que criou 500 mil novos postos de trabalho. A taxa de desocupação ainda é maior do que no ano passado, aponta Azeredo.

“Embora os resultados do trimestre mostrem aumento da ocupação e redução na fila da desocupação, os números são desfavoráveis em relação ao ano passado”, explicou Azeredo.

Novos reajustes no preço da gasolina em novembro de 2017 elevam mais os preços

Após ter reajustado novamente o preço da gasolina em 5,1% no dia 22 de novembro de 2017, a Petrobras anuncia mais um reajuste de 1,9% no dia 24 de novembro deste ano. O valor destes reajustes é direcionado às refinarias e pode ser repassado de forma diferente para o consumidor final.

A nova política de preços adotada pela Petrobras é a responsável por constantes reajustes que o povo brasileiro tem sentido no bolso. A base desta nova política de preços é manter o preço pareado com as cotações internacionais, sendo que as oscilações do mercado podem influenciar o preço diariamente e os reajustes serem anunciados constantemente como tem sido este ano.

Os valores que são repassados para as refinarias é o valor que gira no mercado interno de combustível, e a estatal busca evitar que sua participação neste mercado não seja afetada. Nestas oscilações de mercado tanto externo quanto interno, é o consumidor final que paga o preço da forma com que o país vem conduzindo as políticas de reajustes de preços de combustíveis e gás natural este ano, sendo que os preço da gasolina atingiu valores recordes na casa de R$ 3,966 a cada litro diante dos últimos reajustes.

De acordo com dados divulgados pela ANP – Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, sobre o preço de R$ 3,966 nas bombas de combustíveis em novembro deste ano, a agência aponta para o quarto aumento recorde no preço de forma consecutiva este ano.

Desde o mês de julho deste ano até o último dia 24 de novembro, o reajuste no preço da gasolina que é repassado para as refinarias atingiu a casa dos 25,9%. O diesel que é destinados às refinarias de todo o país, teve queda de 0,3% no mesmo período.

A fiscalização também passou a ser mais assídua em postos de combustíveis em todo o Brasil. A Operação Bomba Limpa vem realizando constantes fiscalizações em postos de combustíveis, recolhendo amostras de combustíveis nestes postos. Dentre os locais que tiveram postos irregulares, Campo Grande, situado na Zona Oeste do Rio de Janeiro, teve dois postos de combustíveis autuados. Os consumidores devem ficar atentos em relação a qualidade do produto, pois já basta o preço absurdo que está sendo cobrado.

 

Em outubro as exportações no Brasil atingiram um número recorde

O indicador mensal de comércio exterior da Fundação Getúlio Vargas, a FGV, registrou mais um recorde do Brasil seguido de bons resultados. O mês de outubro registrou um aumento de 31% nas exportações, o maior volume atingido em 2017. No mesmo período as importações aumentaram 26%.

O resultado foi bem influenciado pelas exportações do setor agropecuário, segundo a entidade, com um crescimento recorde para o segmento. O desempenho teve reforço pelas exportações da indústria da transformação, com um aumento de 25% e a extrativa, com um avanço de 21% nas vendas para fora do país.

Esses resultados vêm seguido de recordes registrados pelo comércio exterior, que neste ano deve atingir a marca de 70 bilhões de dólares, sendo esse um recorde histórico, segundo informações do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

A FGV destacou um bom desempenho, no caso da indústria, com a exportação de automóveis, destacando mercados novos como a Arábia Saudita. Em 2017 as vendas do setor vêm atingindo de forma positiva o saldo comercial do Brasil. Isso mostra os resultados da recuperação do setor que atingirá recorde de exportações esse ano, segundo a entidade representante das montadoras, a Anfavea.

A contabilidade feita pela balança comercial de todas as trocas realizadas pelo Brasil e o mundo mostra resultados positivos que superam as importações. Quando o país exporta mais do que importa significa que houve um superávit comercial. É importante que os saldos positivos sejam atingidos, pois é um sinal de que a economia do país está sólida e competitiva em relação ao resto do mundo.

No acumulado de janeiro a outubro, o país tem um saldo de 125 bilhões de dólares, um aumento de 9,1% em relação ao mesmo período de 2016.

Em novembro, as balanças já vêm registrando um superávit de 1,8 bilhão de dólares já nas primeiras semanas do mês.

O crescimento das exportações tem um papel fundamental para que o crescimento do país seja retomado, segundo o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira.“Ao longo do ano observamos um crescimento das quantidades exportadas. Isso indica uma demanda mundial aquecida” afirma o ministro.

 

Parceria entre Fazenda e Cadê enfatiza política antitruste no país

Um grupo de trabalho com parcerias entre o Ministério da Fazenda e o Cade – Conselho Administrativo do Direito da Concorrência, tem como objetivo estimular a competitividade na economia brasileira lançando uma portaria de grupo de trabalho. A portaria foi assinada no dia 8 de novembro deste ano, e um dos principais objetivos é desenvolver a política antitruste aqui no Brasil, como forma de preservar a competitividade coordenada pelo Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência.

A parceria entre Fazenda e Cade foi assinada por Mansueto Almeida, secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, pelo presidente do Cade, Alexandre Barreto e por João Manuel Pinto, assessor especial de Reformas Microeconômicas do Ministério da Fazenda, como forma de atuação conjunta entre os órgãos.

O evento oficial onde ocorreu a assinatura foi o “Lectures in Competition Analysis”, um seminário onde participaram autoridades responsáveis pelo direito da concorrência de diferentes países.

Novas propostas voltadas para o estímulo e livre concorrência do desenvolvimento econômico para o país, com atividades e ações diretas pensando no consumidor foram lançadas durante o evento. Entre essas novas propostas estão: o compartilhamento de informações, seminários e palestras e a fortificação do PPI – Programa de Parceria de Investimentos, criado a partir da Lei n°13.334/16.

Três representantes de cada órgão irão fazer parte desta equipe, com duração prevista de 90 dias a partir da primeira reunião para o andamento das propostas. Caso seja necessário, este prazo poderá ser prorrogado. Todos os resultados futuros deverão ser apresentados ao Superior Administrativos de todas as instituições envolvidas nas análises, encaminhamento e em todas as providências tomadas.

A Lei antitruste foi criada por Getúlio Vargas com objetivo de inibir a compra de empresas brasileiras com o uso de capital externo de empresas semelhantes. De um modo geral, a lei antitruste junto a outras leis semelhantes de outros países, como a Lei Sherman dos Estados Unidos e a Lei Clayton regida na União Europeia, tem como objetivo evitar abusos, conspirações e manipulações que irão limitar o mercado e suas possibilidades. Dentre as limitações referentes ao mercado, o impacto no crescimento econômico se torna evidente e o direito de livre concorrência acaba sendo afetado.

Campanha lançada pela Caixa auxilia inadimplentes na renegociação de dívidas

Nova campanha lançada pela Caixa Econômica Federal convida pessoas inadimplentes com a instituição a renegociarem suas dívidas. Feita para pessoa física e jurídica, a campanha tem a finalidade de aumentar as renegociações de dívidas entre os inadimplentes e o banco. Contudo, a grande novidade ficou para a facilidade da renegociação, que agora pode ser feita tanto pessoalmente no banco quanto pela internet.

A Caixa informou em sua campanha, que as dívidas que poderão ser renegociadas terão que ter mais de 360 dias ou aproximadamente 1 ano. A instituição ainda oferece duas opções de pagamento da dívida para os inadimplentes, que poderão parcelar a dívida ou ainda pagá-la à vista. No caso do pagamento à vista, a instituição financeira assegura que há “descontos significativos” para a opção de pagamento.

Na campanha, a Caixa informa que os clientes só precisam se dirigir até uma agência do banco e solicitar informações sobre as renegociações de dívidas. Há também a opção do atendimento pelo telefone que pode ser realizado no número: 0800 726 8068. Mas a grande novidade está no atendimento online, onde o usuário só precisa acessar a página criada pela Caixa e inserir as informações necessárias para fazer a renegociação. Confira o site oficial para a renegociação das dívidas: www.negociardividas.caixa.gov.br/sineb/clienteIdentifica.jsp.

Além dessas formas de renegociar as dívidas, a Caixa ainda realizará uma outra campanha chamada de “caminhão quita fácil”, onde um caminhão levará atendimento específico para a renegociação de dívidas para diversos estados do país. Os estados que participarão da campanha são: Pará, Minas Gerais, Distrito Federal, São Paulo, Bahia, Goiás, Alagoas, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

A Caixa informou em uma nota que a campanha tem como objetivo aproveitar o momento mais oportuno para auxiliar os inadimplentes na renegociação das dívidas. No final do ano, há um aumento no número de contratação para empregos temporários e um volume maior de dinheiro na mão dos trabalhadores em função do 13º salário, por isso a Caixa avalia que o momento é ideal para que os inadimplentes possam renegociar suas dívidas.