Conheça a história da empreendedora que criou o movimento social Black Money

Eleita entre as cem pessoas afrodescendentes consideradas mais influentes em todo o mundo, a empresária Nina Silva, fundadora do Movimento Black Money, defende que o uso da tecnologia deve estar ao alcance de todos. Ela acredita que ainda há uma defasagem muito grande nesse campo e ressalta a importância de ações de inclusão digital.

Nina foi uma das palestrantes presentes no RD Summit, um evento que na edição de 2018 ocorreu em Florianópolis. No encontro, cuja principal temática foi “Tecnologia para quem?”, a empresária discorreu justamente sobre uma de suas maiores preocupações de ordem social: a falta de diversidade dentro das empresas e a necessidade de reverter tal situação. Conforme esclareceu, além do caráter humanitário, as organizações devem considerar que estão perdendo oportunidade de lucrar com o talento de diversos profissionais.

Nascida no Rio de Janeiro, Nina passou boa parte de sua vida vivendo no Jardim Catarina, um local conhecido por sua extensa favela, uma das maiores do país. Mesmo enfrentando dificuldades na vida, a agora empresária disse em uma entrevista para o portal Pequenas Empresas e Grandes Negócios, que nunca se sentiu adaptada àquela situação em que se encontrava. Ela apontou que a prioridade era prover o próprio sustento, mas isso não impediu que tivesse maiores aspirações.

Nina possui formação acadêmica na área de tecnologia da informação e disse ter escolhido este segmento por conta de ser promissor financeiramente. Antes de se formar, entretanto, a jovem atuava em outro meio: era escritora especializada em diversidades raciais. Além disso, a empresária também escrevia contos eróticos.

A fundadora do Movimento Black Money se surpreendeu quando ingressou no mercado de trabalho do segmento de tecnologia da informação. Embora recebam formações similares, homens e mulheres recebem salários diferentes, informou a empresária. Nina também salienta que os profissionais afrodescendentes não costumam receber a mesma valorização que os demais.

Para mudar tal realidade, Nina se empenhou arduamente em sua carreira e fundou o Movimento Black Money, que em tradução livre para a língua portuguesa significa “Dinheiro Negro”, uma alusão à capacidade de geração de lucro através do talento de profissionais afrodescendentes. Educação, comunicação e mídias inovadoras são os focos do projeto, explica a empreendedora.

Saiba mais:

https://revistapegn.globo.com/Empreendedorismo/noticia/2018/11/tecnologia-tem-que-ser-para-todas-pessoas-diz-nina-silva-fundadora-do-movimento-black-money.html

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *