Eduardo Sirotsky Melzer, também conhecido como Duda Melzer, ainda é um líder na indústria de investimentos

Eduardo Sirotsky Melzer é frequentemente referido como Duda Melzer e é um empresário brasileiro que gosta de ver uma combinação de sucesso, propósito e lucro em seu novo negócio. Para ele, meta e lucro não devem ser distribuídos, pois podem funcionar bem em conjunto. Ele percebeu que cada vez mais empresas tendem a criar mais e mais riqueza, seguindo a missão pela qual são apaixonadas. Ele aprendeu a alcançar o mesmo sucesso ao trazer pessoas confiáveis para suas empresas que trabalham bem com outras.

O empresário brasileiro Duda Sirotsky Melzer aprendeu que gerenciar tudo em sua empresa é extremamente difícil. Ele se sente muito mais confortável quando pode passar seu trabalho para outras pessoas em quem ele pode confiar. No passado, Duda Melzer tentou competir diretamente com grandes empresas de tecnologia e vencê-las em seu próprio jogo. Ele aprendeu muito e agora entende que é melhor manter o nicho de negócios que ele conhece melhor.

Sirotskiy Melzer continua a dominar o mundo dos investimentos no Brasil e nos EUA e ajuda novas empresas a terem sucesso. Antes era Presidente do Conselho de Administração do Grupo RBS, mas agora trabalha para a empresa como Presidente. Ele tem recebido inúmeros prêmios por seu trabalho, incluindo o Prêmio Empreendedor do Ano da Ernst & Young.

Eduardo Sirotsky Melzer é também o fundador e CEO da EB Capital, uma empresa de investimentos especializada em investimentos de médio porte. A empresa dá vida às idéias através de sua implementação. Duda Melzer observou recentemente que a EB Capital se concentra em tornar boas idéias realidade, reunindo pessoas brilhantes que sabem como fazer isso. A Melzer também contribuiu para a criação do e.Bricks Ventures.

Duda Sirotsky Melzer iniciou sua carreira na América do Norte e em 2004 tornou-se CEO do mercado interno do Grupo RBS. De acordo com Crunchbase, Duda Sirotsky Melzer trabalhou como analista financeiro sênior na Delphi Corporation em 2002. Foi também Presidente do Conselho de Administração da Box Top Media, uma empresa não-governamental de mídia. No mesmo ano, Melzer tornou-se membro da Family Communications Network nos Estados Unidos. Duda Melzer tornou-se presidente do Grupo RBS em 2012, e em 2015 começou a trabalhar como CEO da empresa. Tornou-se membro do Cambridge Institute for Family Affairs.

John Davis, respeitado empresário familiar e professor da Universidade de Harvard nos Estados Unidos, é uma excelente fonte de inspiração para Duda Melzer. John é um dos consultores mais conhecidos na área. Seu relacionamento com a RBS remonta a 1999, quando se tornou a primeira empresa brasileira a aproveitar seus serviços de consultoria. Eduardo Sirotsky Melzer também mencionou Jim Collins e Ram Khan como pensadores influentes no campo do empreendedorismo.

Eduardo Sirotsky Melzer, também conhecido como Duda Melzer, é um líder dedicado que dá o exemplo e o compartilha com outros através de sua delegação. Como empresário, ele acredita que o empreendedorismo é a chave para o sucesso econômico. Ele demonstra uma forte ética de trabalho tradicional e ao mesmo tempo ilustra uma nova forma de pensar que inspira e promove o desenvolvimento.

Licenciamento de veículos começa a funcionar integralmente online no estado de São Paulo

Após o dia 8 de maio de 2020, o licenciamento de automóveis começou a ser disponibilizado de forma remota. O CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos) agora pode ser impresso de qualquer local. Há um código que permite a verificação por parte de autoridades de trânsito, o que valida o documento. A criação desse sistema digital de documentação veicular ficou a cargo do SERPRO (Serviço Federal de Processamento de Dados), atendendo determinações do DENATRAN.

Há duas formas válidas de se imprimir o CRLV. Na primeira delas, o usuário precisa acessar o portal do DENATRAN, que também permite outras modalidades de serviços. Na segunda, é preciso baixar o aplicativo, cujo nome é “Carteira Digital de Trânsito”. O órgão informou, em uma série de notícias sobre novidade, que somente os usuários que estiverem em dia com as obrigações de trânsito conseguirão efetuar este tipo de impressão.

A modalidade online decorre do cumprimento de uma deliberação do DENATRAN, aplicada ainda no ano de 2019. No documento, de número 180/2019, ficou estabelecido que todas as unidades do DETRAN do país deveriam se integrar à forma online do serviço até o final do mês de junho de 2020. Segundo Isidro Santos, que representa o SERPRO, houve a necessidade de se antecipar a documentação digital, o que aconteceu em razão do isolamento social.

Outros estados já oferecem o licenciamento online, conforme divulgado pelo SERPRO. São eles: Distrito Federal, Acre, Tocantins, Amazonas, Santa Catarina, Amapá, Rio Grande do Sul, Bahia, Roraima, Ceará, Rondônia, Espírito Santo, Paraná, Goiás, Piauí e Espírito Santo. Em relação ao estado de São Paulo, estima-se que cerca de 31 milhões de usuários recorram a esta forma de serviço em 2020, uma vez que trata-se de uma região com elevada quantidade de automóveis.

Vale destacar que a SERPRO é uma empresa de funcionamento exclusivamente público. Voltada, dentre outros serviços, à elaboração e digitalização de documentos considerados essenciais à população, a companhia estatal começou a operar ainda na década de 1970. Em relação ao estado de São Paulo, que possui a maior frota de todo o país, o órgão adotou o mesmo sistema de outros estados, fazendo uso de QR Code.

Saiba mais:

Como a tecnologia está se desenvolvendo em pró do profissional frelancer.

É sabido de todos que um dos segmentos de maior crescimento no mercado é o de profissionais frelancers. Além da grande facilidade e praticidade que existe em trabalhar dessa forma a versatilidade encontrada em diversos profissionais pode vim a superar a produção em larga escala de algum produto específico. Basicamente, formar profissionais que estivessem ligados a apenas um processo de produção se tornou inviável, hoje é possível ter muitos profissionais em apenas uma pessoa.

Partindo do exemplo acima criamos uma ideia de transparência, mas além desses inúmeros benefícios a tecnologia acaba por impressionar mais. O desenvolvimento de certos softwares e de plataformas voltadas para o mercado digital auxilio na criação de um número cada vez maior de frelancers. É evidente como a técnica auxiliou nessa parte.

As notícias mostram que o número de plataformas na web, criadas com o intuito de ligar profissionais a empresas cresceu exponencialmente. Desde a década passada o mundo se modernizou a tal ponto que hoje é possível trabalhar apenas usando seu aparelho celular.

Além de plataformas, softwares foram criados para facilitar a vida de ambas as partes. Ferramentas para envios e mensuração de e-mails, as mídias sócias, redes sócias próprias para a obtenção de profissionais, enfim, isso abre um leque enorme de oportunidades.

Existem projetos de leis que visam mais benefícios para esses profissionais. Se considerarmos todo o processo na criação de um emprego e as relações que existem dentro dessa interação podemos ver que cada vez mais o trabalhador autônomo se encaixa nesse mundo.

Existem computadores e aparelhos moveis próprios para trabalhar, além de inúmeros programas na web que funcionam como uma ligação entre empresas e profissionais. 99jobs, Workana, 20 contos, são alguns dos mais conhecidos pelos brasileiros. Mas as oportunidades não são apenas nacionais, me verdade muitos brasileiros preferem trabalhar em outros países, por não precisarem nem mesmo sair de casa para isso e em alguns locais o ramo dessa pessoa ser mais desenvolvido a escolha é óbvia.

O marketing em mídias sociais continua sendo um setor de muitos avanços.

O marketing digital criou inúmeras possibilidades para empresários. Desde de sua criação é um dos segmentos do mercado que mais cresce e, em sua totalidade, considerado a melhor ação para que empresas cresçam com autoridade e publicidade.

Mas afinal, como esse setor continua crescendo? Qual sua importância para os negócios? O que motiva mais e mais investimentos nessas redes?

Notícias apontam que mais de 80% dos profissionais brasileiros de marketing acreditam que as ações em redes sociais são essenciais, segundo dados da State of Marketing.

Uma campanha de marketing acaba por impulsionar diversas oportunidades, o que caracteriza se o desenvolvimento daquele segmento vai ser bom é, além das vendas, o engajamento gerado pela marca.

A proliferação das estratégias voltadas para as mídias sociais deve-se ao fato delas serem grandes centros de pessoas e serviços. Existem médias em pesquisas que afirmam que, para os brasileiros, o tempo médio de utilização de algumas redes sociais, como o Facebook, chega a quase 1 hora. Além de outros dados que confirmam que um trabalhador normal é distraído a cada 28 minutos por conta de alguma curiosidade ou mudança repentina em aplicativos ou serviço dos quais ele esteja usufruindo.

O engajamento gerado para cada espaço da internet tem chamado atenção de muitos empreendedores desde de suas respectivas criações, inclusive o LinkedIn. Apesar de ser uma rede voltada para contratação de profissionais, hoje, é possível fazer marketing ali também.

A grande diferença das mídias sociais para os outros centros de comunicação é a facilidade em gerar engajamento e “mostrar” a marca para o usuário. O e-mail marketing, por exemplo, é um grande gerador de receita, contudo por necessitar de um esforço maior para gerar engajamento não é utilizado por muitos produtores de conteúdo para tal.

Notícias do mundo digital entregam diversos dados precisos sobre competências de profissionais e a eficiência de cada rede social para o segmento escolhido no mercado.

Facebook pagará US$ 52 mi de indenização a moderadores afetados psicologicamente

O Facebook firmou um acordo de indenização milionário aos moderadores de conteúdo que foram diagnosticados com síndrome de estresse pós-traumático, doenças psicológicas, incluindo depressão. O acordo de US$ 52 milhões deve beneficiar ex-funcionários da empresa que tiveram que arcar com pagamento médico nos tratamentos realizados e que foram afetados psicologicamente pela função que exerciam. Segundo notícias postadas no site The Verge sobre o assunto, o acordo foi referendado pela Corte Superior de San Mateo, localizada na Califórnia, Estados Unidos.

O valor da indenização deve ser para pagar 11.250 moderadores de conteúdo que fizeram parte da empresa. Os moderadores tinham a tarefa de moderar a rede social. No mínimo, cada um dos moderadores irá receber US$ 1 mil, podendo ser um valor maior conforme a gravidade da doença psicológica desenvolvida em decorrência da função exercida. Os moderadores têm a função de analisar conteúdos denunciados por usuários, o que inclui imagens de violência consideradas agressivas.

Em 2018, uma ex-funcionária terceirizada processou o Facebook por ela ter desenvolvido síndrome do estresse pós-traumático enquanto trabalhava revisando imagens em foto e vídeo sobre estupro, decapitação e suicídio.

O Facebook também concordou em implementar mudanças na forma como os moderadores trabalham para reduzir o impacto do estresse sofrido pelos trabalhadores. Uma dessas mudanças é reduzir o número de horas a que cada moderador é exposto na moderação de conteúdos denunciados. Até o fim deste ano, os vídeos que serão analisados pelos moderadores serão exibidos sem áudio e com as imagens em preto e branco. Essas mudanças deverão ser aplicadas ainda este ano e, até o final de 2021, já deverão ser implementadas por todos os moderadores da rede social.

Para os moderadores que estiverem encarregados de verificarem conteúdos extremamente violentos diariamente, deverão passar por sessão com profissional contratado pela empresa. Para os moderadores que estão passando por algum tipo de crise, o tratamento deverá ocorrer imediatamente.

“Somos gratos aos moderadores de conteúdo agressivo por assumirem essa responsabilidade e tornar o Facebook um ambiente familiar e seguro para todos. Estamos nos comprometendo a fornecer todo o suporte necessário para os ex-funcionários e para os funcionários em atividade na função”, disse o Facebook em nota revelada no site.

Presidente da JHSF, José Auriemo Neto, listado como um dos principais pioneiros do BoF 500 no setor de moda e varejo

José Auriemo Neto, presidente da JHSF Participações SA, está levando o mundo da moda e do varejo a novos níveis. Trabalhando com o promotor imobiliário brasileiro, JHSF, ele ajudou a disponibilizar no Brasil novos locais de estilo de vida de luxo e marcas de moda de alta qualidade.

Como promotor e fornecedor atuante no setor de varejo de moda, ele recebeu o aviso do recurso de moda on-line, The Business of Fashion. O BoF possui escritórios na Europa, América do Norte e Ásia e ficou conhecido como leitura essencial. Foi citado pelo New York Times, British GQ, Le Monde, Lane Crawford e The Hollywood Reporter. A cada ano, a publicação compila sua lista de profissionais do BoF 500de todo o mundo moldando a indústria de US $ 2,4 trilhões. Os editores do BoF fazem seleções com base nos nomes indicados pelos membros e na pesquisa e análise de informações.

De acordo com o Business of Fashion, alguns dos trabalhos mais influentes de José Auriemo Neto foram sua liderança na JHSF, uma das mais proeminentes incorporadoras do Brasil, e pela estréia de grandes marcas como Hermès e Jimmy Choo no país. Um dos empreendimentos de destaque da JHSF, liderado por José Auriemo Neto, é o Complexo Cidade Jardim. O Cidade Jardim é um plano integrado de uso misto que compreende um distrito comercial, torres de condomínio de luxo e o primeiro shopping ao ar livre do Brasil.

Este foi o ponto da introdução das principais marcas de Auriemo Neto no Brasil, que negociou parcerias exclusivas com Pucci e Valentino e Red Valentino. José Auriemo Neto também é creditado com a criação do departamento de serviços de estacionamento da JHSF, Parkbem e pela inauguração do Shopping Santa Cruz, o primeiro shopping da JHSF, o único shopping com acesso de metrô em São Paulo.

Especialista em Epidemiologia da Universidade Columbia dificilmente vê saída para pandemia antes de uma vacina

Jeffrey Shaman, 51 anos, é especialista em modelos de doenças infecciosas da Universidade Columbia, situada na cidade de Nova Iorque, e tem acompanhado a evolução da pandemia, desde o surgimento na China até à sua chegada e propagação nos EUA. Para ele, a China não tem sido verdadeira no que diz respeito aos casos e à maneira como o problema está a ser contido, com possíveis dados dúbios. Logo, a Coreia do Sul tem se tornado uma referência melhor e confiável, uma vez que conseguiram diminuir a curva depois do surto inicial, graças à aposta na identificação dos casos, por meio de testes, isolamento, quarentena e utilização de máscaras faciais.

À vista disso, uma hipótese é a possibilidade de espalhar o vírus pela população, de modo que não seja possível infectar mais ninguém, conhecida como imunidade de grupo. No entanto, é uma situação que deve ser evitada para que não aconteça de forma brusca, sob pena de colapsar o sistema de saúde. Este fato aconteceu em países como Itália e Espanha, bem como no Estado de Nova Iorque, onde as pessoas foram admitidas nas unidades de terapia intensiva e morreram em algumas horas, pois deviam ter sido admitidas muito tempo antes, mas não havia leitos disponíveis. Com isso, pessoas morrem porque não há capacidade de oferecer tratamento adequado para todos.

Segundo Jeffrey, uma segunda onda do vírus é inevitável. O isolamento está a causar um impacto enorme na economia e no equilíbrio psicológico, e sem um medicamento que impeça a progressão da doença e, consequentemente, a ida das pessoas para o hospital, temos que aguardar uma vacina prevista somente para o ano de 2021. Além disso, o novo coronavírus tem enganado até os cientistas mais capazes, por três razões: é um vírus novo, respiratório, a que toda a população mundial está suscetível e de rápida propagação, porque existem muitas pessoas assintomáticas ou pré-sintomáticas, espalhando-o sem saber.

Para saber mais notícias sobre o que é imunidade de grupo (ou imunidade de rebanho) e como isto pode ajudar no retorno à vida pós-pandemia, clique aqui e confira uma matéria exclusiva acerca do assunto.

Apple e Google pretendem alertar usuários sobre a proliferação do COVID-19

Mesmo as duas empresas sendo rivais, decidiram unir forças com o objetivo de criar um sistema que possibilite aos celulares Android e iOS ‘conversarem’, e informar quem teve contato físico com pessoas que se contaminaram. O anúncio das empresas sobre esse sistema foi no dia 10/05/2020.

Esse novo sistema pretende permitir que os celular Android e IOS, possam trocar notícias e informações por meio da tecnologia Bluetooth e a acionar a respeito do risco de contágio, tudo de forma anônima.

Na quarta-feira (15), depois da publicação sobre o novo sistema, o Google falou sobre como o sistema irá funcionar, e disse que a tecnologia será utilizada ao longo da pandemia do COVID-19. A Apple até o momento não se pronunciou.

Até o momento o que se sabe é que esses alertas e notificações serão disparados apenas com permissão e autorização do usuário que está infectado. A própria pessoa precisará informar no sistema sobre ter contraído o vírus.

Tanto a Apple como o Google, não deram informações se haverá condições para o usuário confirmar a notoriedade da informação fornecida. Esse impasse certamente se encaixará no acordo de políticas dos países interessados a desenvolver os aplicativos em que o sistema vai se adequar.

Esse sistema de tecnologia deve ser acessível tanto em celulares Android (Google) quanto iOS (Apple, porém não foi até o momento, explicado pelas empresas se de fato todos os celulares com essas operações irão poder se enquadrar ao sistema que está sendo desenvolvido.

E tudo isso simplesmente porque há celulares antigos em utilização, que podem não permitir mais atualizações recentes dos sistemas operacionais. A maior dificuldade é quando se trata do Android, que relaciona maior usuários de smartphones no mundo, e é implicado em celulares de vários fabricantes, que necessitam das atualizações.

Já o iPhone, sendo a Apple a fabricante e a desenvolvedora desse sistema operacional, há um mapeamento e controle mais preciso da empresa.

Maiores informações e detalhamento sobre esse novo sistema deve ser anunciado nos próximos dias pelas empresas, até o momento essa nova tecnologia motiva a população sobre prevenção e cuidados em relação ao COVID-19.

A história dos dançarinos carregadores de caixão por trás do meme.

Em abril de 2020 começou a aparecer nas redes sociais um vídeo em que homens bem vestidos estão dançando enquanto carregam um caixão no ombro junto com uma música eletrônica ao fundo. Muitas pessoas começaram a usar esse vídeo como meme para momentos onde pessoas possam estar em situação de perigo como uma queda de um lugar alto e logo em seguida aparece o vídeo.

Depois de esse vídeo ficar famoso, começaram a aparecer várias notícias de que esses dançarinos que aparecem no vídeo são ‘dancing pallbearers’ (dançarinos carregadores de caixão) de uma empresa em Gana que oferece um serviço para velórios e enterros um pouco diferente do que é visto aqui no Brasil. Benjamin Aidoo, o dono da empresa, conta que no começo apenas levavam o caixão nos ombros do local onde estava sendo velado até o cemitério, mas ele pensou em fazer algo para que animasse os familiares da pessoa falecida para que a despedida não fosse tão triste e então surgiu a ideia de fazer essa passagem mais animada com coreografia e música. Para levar o caixão, é necessário uma equipe de sete pessoas: seis pessoas levam o caixão enquanto uma coordena o grupo.

Por mais que os dançarinos estejam acostumados a levar os caixões, eles sempre ensaiam antes de realizar o serviço para que não ocorra nenhum acidente na hora.

Em Gana, esse cortejo fúnebre é uma prática comum e além da empresa de Benjamin tem muitas outras que oferecem o mesmo serviço. Além do país da África outros lugares realizam um enterro diferente, na Coreia do Sul é popular cremar o corpo do familiar e fazer pedras preciosas e joias das cinzas. Também existe uma comunidade na Indonésia que os cadáveres vivem junto aos vivos já que eles possuem uma crença que quando um ente querido morre a alma dele permanece na casa em que a pessoa viveu.

Há pessoas que consideram essa forma de celebração a morte desrespeitosa e outros consideram uma maneira mais leve de se despedir do seu ente querido e que devemos celebrar a vida que aquela pessoa teve e esta é uma forma adequada para isso.

Isolamento social é ignorado por cidades interioranas e lojas são reabertas

Embora manter o isolamento social seja a recomendação predominante à população, alguns dos principais municípios interioranos de SP estão desleixando ante as medidas de segurança que visam amenizar o agravamento da pandemia.

Conforme apontam notícias sobre o monitoramento recente feito pelo governo do estado, nesta terça-feira, dia 14, o índice de pessoas que ficam isoladas em casa se manteve em 50% em SP, quando o apropriado deveria ser atingir os 70%. Nas cidades interioranas de SP, os índices são menores ainda, variando de 42% a 48%.

Nesta quarta-feira, dia 15, lojas que representam o comércio não essencial da cidade de Rio Preto/SP estarão em funcionamento por meio da modalidade drive-thru. Quem deseja comprar pode encostar o veículo próximo ao estabelecimento em que deseja, espera dentro do veículo e recebem a mercadoria pedida.

As feiras livres também estarão reabrindo. O retorno das feiras já trouxe mais carros para circulação nas ruas de Rio Preto. O retorno é resultado de acordo da prefeitura do município com a Acirp.

Já na cidade de Presidente Prudente, o atendimento presencial em varejos óticos e lojas equivalentes foi outorgado por um decreto da prefeitura. Nesta quarta-feira, dia 15 de Abril, o decreto foi divulgado. A prefeitura comunicou que tal liberação está de acordo com a Anvisa, a qual relaciona as óticas com à saúde. São aproximadamente 100 lojas favorecidas com o direito de liberação para óticas. A recepção deverá ser realizada de forma singular, com os trabalhadores acatando a norma de atenderem utilizando máscaras.

Em Campinas, a prefeitura determinou que os comércios considerados essenciais não permitam que clientes sem máscaras adentrem às lojas, ante a constatação recente de redução no número de pessoas se mantendo em casa. A determinação também é válida para clientes que estejam na fila de atendimento. Também ficou imposto pelo decreto do município que a quantidade de pessoas nos estabelecimentos seja limitada.

Nesta terça feita, na cidade de Americana, o MP protocolou ação civil, visando determinar a prefeitura interromper a recepção em todas as suas áreas de atuação. A prefeitura do município comunicou que o decreto sobre o isolamento social não alude ao poder público municipal, e que assim sendo, não considera ter praticado ação ilícita.